27 abril 2008

Apontamento 24/04/08 11:07 PM

Procuro sempre.

Imagino que caço as palavras, obrigando-as a desfilar segundo uma ordem especial, numa efectiva demonstraçao de soberania.
Por entre todas as palavras, como também por entre o povo, existem algumas que sao fortes, corajosas, inconformadas e, sem me dar conta, tenho uma revoluçao nas maos, que me sobe à cabeça e me derrota, me destitui, me exila e me encarcera.

Felizmente existem palavras que soam como tiros de cravos!

red carnation

26 abril 2008

Apontamento 24/04/08 2:47 PM

Na minha Caixa de Pandora já nao existem muitos demónios, foram-se cansando e morrendo de pasmo. Possivelmente eram demónios de segunda categoria...
Sobreveem-me pontuais momentos de tranquilidade, facto inédito de há algum tempo para cá. (Até a minha caligrafia é disso reveladora)
Desconhecido é o futuro do que está para vir, assim como o futuro do que ficou para trás. Somos permanentes descobridores, inevitáveis desertores. Eu sei que existe uma transversalidade universal, uma ordem no Caos, que impele os audazes e também os gananciosos, que motiva os sensíveis e os psicopatas e nos transforma em involuntários carrascos e abnegadas vítimas.
Nao se pode evitar a contradiçao, porque é nossa parte integrante.
Conto com o excesso para calar a falta e anseio o sossego para me acalmar a pressao.

Tudo isto é verdade, mas nunca conseguirei cabalmente dizer tudo.
Felizmente existe o esquecimento, que nos garante a sobrevivência e algum equilíbrio.

25 abril 2008

Apontamento 24/04/08 11:35 AM

Nao existem história completas. De cada minuto se escapam muitos segundos, rumo à eternidade daquilo que já passou.
O Absoluto é incomportável, insuportável, podendo muito raramente ser vislumbrado durante minúsculas fracções de segundo. Somos apenas ufanas partículas de tempo que, demasiado tarde, descobrem a sua ridícula finitude. No entanto, se pudéssemos perguntar à borboleta o que pensa sobre a sua própria longevidade, talvez nos respondesse que era "justa".
O Tempo expande-se de dentro para fora e de fora para dentro, o muito e o pouco sao precisamente a mesma coisa. O Nada é que é Tudo!

21 abril 2008

Mimo-Blog e outras correntes

Este "post" destina-se a agradecer publicamente à Crassula, ao João Crisóstomo e ao JMRM, pelos "mimos" que me deixaram nos seus Blogs.
Acontece-se que, respeitando totalmente quem participa nestas correntes, sinto-me desconfortável com a obrigatoriedade das respostas (e não é por uma questão de partilha ou divulgação dos meus gostos pessoais, como bem sabem!)

Mesmo assim... Muito obrigado!!!!

Dia 0

cuerpo

A viagem, repartida entre 50+160 minutos de voo, para além do tempo de espera no aeroporto de Madrid, correu bastante bem.
O Hotel ****sup (quarto, espaços comuns e restaurantes) surpreendeu-nos pela positiva.
Temperaturas amenas, que se prolongaram por toda a semana.

10 abril 2008

Algumas fotografias de hoje, 10 de Abril de 2008

Graptopetalum bellum echeveria macdougalii or peacockii
Graptopetalum bellum / Graptoveria fanfare

aichryson laxum flowers aeonium castello-paivae
Aichryson laxum / Aeonium castello-paivae

gasteria verrucosa flowers Tillandsia bergeri
Gasteria verrucosa / Tillandsia bergeri

Bletilla striata1 astrophytum miryostigma f. quadricostatum
Bletilla striata / Astrophytum miryostigma f. quadricostatum

Contagem decrescente

hand and foot

Inevitavelmente, começo a pensar e planear a semana de férias em Tenerife. É sempre enorme a diferença entre o que planeamos e/ou desejamos e o que realmente vem a acontecer. Isso não quer dizer que seja para pior... ou para melhor, quer dizer apenas que a nossa cabeça é um mundo à parte, uma fábrica de paisagens e de sensações, que constantemente labora.
Uma vez mais, volto a levar o material de pintura, mantendo acesa a ténue esperança de que algo, na viagem, possa despoletar a vontade da paixão, da paixão de pintar e criar um espaço intelectual e visualmente interessante.

De qualquer forma vou passando por aqui... :)

Abraços e beijos!

(já desenjoaram das imagens de cactos? :D)

funny

09 abril 2008

Não saber

Não me apetece muito escrever. Andei à procura de fotografias que me pudessem sugerir qualquer pequeno texto e encontrei esta:
Sapato no chão

Na verdade, sempre fui muito "fantasioso". Gostava de imaginar como seria se o quotidiano fosse como um filme musical ou de ficção científica. Gostava do caricato das situações vividas pelos outros e, principalmente, por mim mesmo! Sempre me ri de mim e das patetices que não conseguia evitar.
Presentemente, estou muito mais sisudo (não é por opção), mas sinto (agora) que pouco a pouco recupero a alegria de outrora.
Esta imagem "de uma perna só" lembrou-me de que, apesar de muitas vezes ter a "cabeça na Lua", tenho sempre um pé na terra e... sei bem o que quero (nem sempre a prática corresponde à teoria)! Tenho um apurado sentido de sobrevivência e isso têm-me ajudado a chegar até aqui.
Não sei se amanhã, ao ler estas sonolentas divagações, não me apetecerá apagar tudo isto e colocar uma "linda" imagem de um qualquer cacto!

Sejam MUITO felizes e não se desgastem com ninharias, ok?
Beijos, porque já sabem que sou MUITO beijoqueiro!

06 abril 2008

04 abril 2008

Mesmo...

... quando as coisas parecem fazer pouco sentido, tomo e sou tomado pelas rédeas do que me consome, na esperança de que, no final (seja que final for), tudo me pese menos.
Está já marcada a primeira semana de férias. Uma semana insular e atlântica.

mirror frame

Não me debato contra a maré, para não correr o risco de me afogar.
Espanto-me com a minha capacidade de abnegação. Mesmo que quisesse, não conseguiria agir de outra maneira.

Acreditem que sou suficientemente forte!

01 abril 2008

Mais uma surpresa

De Málaga, chegou um pacotão e de Biarritz um pacotinho, ambos repletos de carinho. Esperava por quatro plantas, três de Espanha e uma de França. Podem imaginar a minha infantil alegria ao desembrulhar tanta maravilha...

paco's gift

manue's gift

TODOS os exemplares são uma maravilha!
(Vou plantá-los agora, porque já estão há muitos dias - o de França, há mais de duas semanas - no Correio)

amadurecer

strawberry, the first

Uns amadurecem mais depressa do que outros.

Resumo



incoerente

adj. 2 gén.,
que não tem coerência;
sem ligação;
desconexo;
incongruente;
ilógico;
contraditório.

alterado, desorientado, verdadeiro, indefeso, agressivo, dorido, cansado, esperançoso, desesperado, oscilante, carente, compreensivo, piedoso, revoltado, pateta, pateta, pateta, patético!